Criança

Gripeh1n1.jpeg

Ainda estamos assustados com a dengue, zika e chikungunya.

Já não bastasse isso, agora estamos diante de outro grande problema de saúde. O vírus H1N1 já é responsável pela metade dos casos de gripe registrados no país, segundo o Ministério da Saúde, mesmo em imunizados no ano anterior.

Lembro bem em 2012, grávida do Gui, que corri ao posto para tomar a vacina e em 2013, quando tivemos muitos casos no país, com ele nos braços tomando novamente a vacina.

Um vírus pode causar muitos transtornos e isso me dá muito medo. Passa mil coisas na minha cabeça, nós saudáveis corremos risco, imagina aqueles que já possuem algum problema de saúde, ou nas nossas crianças, gestantes e idosos.

Pensando nisso, não poderia deixar de escrever!!!

Vamos saber um pouco mais???

Vírus.jpegImagem Shutterstock

Não sei se vocês já viram, existem 3 tipos de vírus, o vírus A, B e C. O vírus C é o mais leve, causando infecções respiratórias brandas, não representando impacto na saúde pública e nem relacionado a epidemias.

Em contrapartida o grande vilão é o tipo A, responsável por pandemias e pela agressividade seguido do tipo B.

Mas quais são os sintomas???

Sintomas.jpegImagem Shutterstock

Os sintomas são similares ao da gripe comum.

  • Febre alta, repentina acima de 38 graus.
  • Tosse.
  • Dor de garganta (garganta inflamada).
  • Dores no corpo (muscular), fadiga.
  • Dor de cabeça.
  • Calafrios.
  • Diarréia e vômitos (em alguns casos).

Os sintomas associados, sem a procura de atendimento nas primeiras 24 horas, podem levar a pneumonia e mais grave, a falência respiratória.

A medicação apresenta maior eficácia nas primeiras 48 horas.

Como ocorre a transmissão???

A transmissão é de pessoa para pessoa e o meio é via tosse ou espirro.

Comumente pode ser via contato indireto, secreção de pessoa contaminada, PELAS MÃOS!!!! Podemos levar esse vírus a boca, aos olhos e ao nariz.

Período de transmissão

  • Crianças – até 14 dias
  • Adultos – até 7 dias

A incubação, manifestação dos sintomas, é de 3 a 5 dias.

Grupos de Risco

  • Crianças menores de 5 anos.
  • Maiores de 60 anos.
  • Pessoas com doenças pulmonares crônicas, cardiovasculares, renais, hepáticas, neurológicas, neuro-musculares, diabéticos, portadores de HIV.
  • Gestantes.
  • Residentes em instituições.
  • profissionais da área da saúde.

Como podemos prevenir???

Lavar e higienizar as mãos frequentemente, cobrir a boca e o nariz ao tossir e espirrar, usar lenços descartáveis sempreeee!!! Cuidados ao colocar as mãos no nariz, boca ou olhos. Não compartilhar utensílios e objetos tais como talheres, copos, pratos, garrafas e até mesmo toalhas de banho.

Mantenha os ambientes arejados. Evite ao máximo beijar ou cumprimentar com as mãos pessoas gripadas (se não der, lave as mãos após).

Super importante utilizar e levar consigo um fresquinho de álcool gel 71% (super fácil de encontrar e carregar na bolsa). Tenha cuidado redobrado no transporte público!!

Tomando os devidos cuidados você pode reduzir muito a possibilidade de contaminação por H1N1!

Gestante e CONTAMINADA (ou com bebezinho)

GestanteinvernoImagem Shutterstock

Pode ocorrer, infelizmente, os cuidados tem que ser redobrados!

A gestante necessita de mais cuidados e atenção, podendo ser mantida internada em caso de gestação avançada para observação, será receitado o remedinho conhecido antiviral, além de uma caprichada na alimentação e tomar muita água!

No caso das recém mamães, podem continuar amamentando seu neném! Os anticorpos passarão da mãe para o filho deixando-o mais resistente a infecções. Mamãe tome cuidado ao tossir ou espirrar perto do bebê, podendo até mesmo utilizar máscara para evitar o contágio.

Vacinação

Devido ao surtovquecestamos vendo em São Paulo e diversos outros estados, a campanha de vacinação está sendo adiantada.

A rede particular de laboratórios está com um grande movimento em busca da vacina, alguns locais já estão sem as doses.

Em Curitiba, a campanha começará em 25 de abril.

As vacinas na rede particular  e pública são diferentes. Existem 2 tipos: a trivalente e a tetravalente.

Tanto sistema público quanto particular possuem vacinas trivalente e em alguns laboratórios particulares distribuem a vacina tetravalente.

Ambas são iguais (trivalente), a tetravalente possui uma proteção a mais contra o Influenza B linhagem Yamagata.

Todas as vacinas são feitas com vírus inativados e protegem contra Influenza A e B.

Isso não quer dizer que a vacina paga seja melhor, mas sim, parece ser mais atualizada!

A efetividade das vacinas demoram alguns dias e até mesmo semanas, mesmo em quem já se vacinou no ano anterior.

Reações podem ocorrer, mas não é gripe como muitos relatam, o corpo está produzindo anticorpos é isso é reação do sistema imunológico.

Ano passado quando tomei, senti calor no local da aplicação e uma dor no braço por uns 2 dias.

Acredito sim que vale a pena esperar as campanhas de vacinação (para o grupo de risco) e dependendo de cada região do Brasil procurar clínicas particulares.

No mais, deve-se observar muito os sintomas. Se você tossir ou espirrar sem maiores sintomas, não vá ao pronto atendimento, principalmente se você não for do grupo de risco. No pronto atendimento é bem possível que tenha pessoas com vírus mais forte que o seu ou até mesmo H1N1.

Procure por locais de vacinação sem contato com pessoas doentes (clínicas ou laboratórios especializados).

Espero que tenham gostado de toda essa pesquisa e informação!!!

Até a próxima!!!!